ISO 9001:2008 – 8.5.3. Ação preventiva

image_pdf

Antes de mais nada, convém compreendermos o que é uma ação preventiva. Na concepção da palavra, ação preventiva é algo que fazemos para garantir que um problema em potencial nunca venha a ocorrer.

Se um Cliente reclama que recebeu um armário faltando uma porta – Tarde demais! – o problema já aconteceu, sendo assim, a ação que devemos tomar é corretiva, e não preventiva.

Se por outro lado, após essa mesma reclamação, concluímos que faltou uma porta, porém, poderia muito bem ter faltado uma prateleira. Então, ai sim, podemos tomar uma ação preventiva que evite que o Cliente receba um armário sem prateleira, embora isso nunca tenha ocorrido.

Só com esses exemplos podemos concluir que quanto mais ações preventivas uma empresa toma, menos problemas e menos ações corretivas são necessárias. Isso é ter Qualidade. Vale lembrar também que uma ação preventiva é muito mais barata de ser aplicada, não envolve indenização, “recall”, desculpas, constrangimentos…

A ISO 9001 versão 2008 é clara ao dizer que a organização tem que definir ações para eliminar as causas das não conformidades potenciais para garantir a não ocorrências.

Ela diz ainda que as ações devem ser apropriadas aos seus efeitos. Por exemplo, um potencial de falta de prateleira, não precisa ser tratado com o mesmo rigor do que um potencial do armário desmontar e ferir o Cliente.

Ela também diz que um documento deve ser criado e, é claro, seguido. E este documento deve definir o seguinte:

  • Uma maneira de identificar a não-conformidades potenciais e de suas causas,
  • A avaliação da necessidade de ações para evitar a ocorrência de não-conformidades,
  • A determinação e implementação de ações necessárias,
  • Diz que evidências (registros) dessas ações devem ser guardado, e
  • A ação só pode ser considerada encerrada, após a constatação de que a ação foi realizada e que o potencial problema não vai ocorrer.

Muitas vezes, temos dificuldade em identificar um problema potencial, então, seguem algumas dicas:

  • Recebemos uma reclamação de Cliente. O que mais poderia ter dado errado?
  • Caixa de sugestões é uma boa fonte de problemas potenciais;
  • Durante uma auditoria, aquele momento que o Auditor quase pegou uma não conformidade pode gerar uma ação preventiva;
  • Uma falha que o Controle de Qualidade pegou antes do produto chegar ao Cliente;
  • Uma possível causa de um problema que foi descartada na análise do problema, mas bem que poderia ter causado, e assim por diante.

Não se deve esquecer que todo o histórico, da identificação da falha potencial até a solução deve ser devidamente guardado para consultas futuras, conforme reza o item 4.2.4 – Controle de registros da qualidade.

image_pdf

Alvaro Freitas

Graduado em Engenharia Elétrica pela Faculdade de Engenharia São Paulo, Especialista em Gestão da Produção pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCar , Engenheiro da Qualidade pela Poli-USP e Especialista em Educação em Ambientes Virtuais pela Universidade Cruzeiro do Sul - UniCSul. Atuou por mais de 20 anos na indústria Automotiva e 10 anos na indústria de Telecomunicações. Autor de 3 livros relacionados a sistemas de gestão e educação online.

Website: http://academiaplatonica.com.br

2 Comments

  1. Flaudivaldo Moretti

    Alvaro,

    EXCELENTE material. Parabéns.

    Todos os ítens são de fácil entendimento.

    Voce possui algum material similar a este para Operadoras de Planos de Saúde.

    Abraços

    F. Moretti
    Smart Consultancy
    19 98771-0907

  2. Rhandson Correia

    Parabéns por tudo, muito bom o site, me auxilia muito no dia a dia.

    Parabéns e Sucesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.